PATRIMÓNIO E AÇÃO LOCAL

patrimonio_1150px

ANO 2016 | 2017

PATRIMÓNIO
Com a sede regional já em fase de acabamentos, mas que ainda exigirá bastante esforço humano e financeiro, novos desafios e tarefas vão surgindo.
À medida que os espaços vão sendo concluídos far-se-á a organização e arrumo do material afeto aos vários serviços regionais. Outra necessidade será dotar a sede de mobiliário funcional capaz de responder às necessidades da região. Paralelamente, lançar-se-á o desafio e será criada uma equipa de trabalho que consiga garantir a gestão de manutenção e limpeza da sede, o mais sustentável e eficaz possível.
Finalmente, sentindo algum “vazio” e dispersão, surge neste último ano o objetivo de “identificar e preservar a história da região”, no sentido de iniciar a criação de uma cronologia da história da região de Aveiro, a partir de documentos escritos, fotografias, objetos, etc. Todos os contributos serão necessários e bem-vindos.

Liliana Morais 838 Albergaria-a-Velha
SRPEAL

EXPANSÃO E AÇÃO LOCAL
Foi objetivo deste projeto trienal incrementar a expansão do movimento, dando continuidade aos projetos de reativação e fundação de agrupamentos e aferir outras comunidades paroquiais com capacidade de abraçar o projeto escutista. Nesta lógica, é nosso propósito prosseguir com o processo de reativação do Agrupamento de Valongo do Vouga e de fundação dos agrupamentos de Oliveira do Bairro e de Sever do Vouga, motivando e acompanhando a formação dos candidatos, para que o escutismo seja possível para um maior número de crianças e jovens.

Liliana Morais 838 Albergaria-a-Velha
SRPEAL

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

ANO 2015 | 2016

A SRAPC engloba dois departamentos que, embora distintos, têm alguns pontos de interseção na sua aplicabilidade prática e que, por isso, foram integrados numa mesma secretaria. Por motivos perfeitamente justificados, a Chefe Mónica Monteiro, responsável pela Secretaria, não pôde continuar a disponibilizar-se para estar neste projeto o que, conforme abaixo se explicita de forma determinante, comprometeu – por falta de soluções em tempo útil – o desenvolvimento que seria esperado em especial no DRA.
Por outro lado, e já no que se reporta ao DRPC que tem como coordenador o Chefe Miguel Oliveira, o caminho está a ser feito e os objetivos a ser cumpridos.
O ano de 2016 servirá ainda para consolidar as equipas e estabelecer/rever propósitos estratégicos para ambos os departamentos que, assim, garantam o cumprimento dos objetivos propostos.

A Chefia Regional

AMBIENTE
A impossibilidade, por questões pessoais, da responsável por esta secretaria continuar a assumir a sua coordenação, veio, no princípio deste mandato, colocar algumas dificuldades iniciais no desenvolvimento dos objetivos propostos.
Estamos certos que no ano de 2016 já teremos a secretaria a funcionar em pleno e, seguindo este pressuposto, arrogamo-nos indicar alguns dos objetivos que julgamos pertinentes e essenciais, sendo que passíveis de serem reajustados.
Será também importante reforçar a parceria a estabelecer com a gestão do CENFA com o objetivo de aproveitar as sinergias e as potencialidades existentes para desenvolver esta área do conhecimento e o seu desenvolvimento prático.
Estamos a concluir em 2015, e queremos novamente recordar, a década Internacional “Água para a Vida” e estamos na parte final da década das Nações Unidas para a “Educação do Desenvolvimento Sustentável”, sendo que este ano de 2015 ainda se vive o Ano Europeu para o Desenvolvimento. Para além disso, iniciámos há pouco tempo a década, também no âmbito das Nações Unidas, sobre a Biodiversidade. Também há a considerar neste ano de 2015 o Ano Internacional da Luz e também dos Solos.
Teremos em 2016 o Ano Internacional das Leguminosas declarado pela ONU, todos estes acontecimentos são propostas para melhor vivermos a relação do ser humano com o ambiente que nos rodeia, como é apanágio do escuteiro.

PROTEÇÃO CIVIL
A Proteção Civil Regional tem como principal objetivo, para o próximo ano, revitalizar o ser departamento com a criação de um equipa base que estabelecerá uma estreita ligação com cada responsável dos agrupamentos da nossa Região.
A equipa a formar irá desenvolver campanhas de sensibilização para questões relacionadas com a segurança nas atividades que os agrupamentos planeiam. Para além desta sensibilização, pretende-se capacitar um responsável em cada agrupamento para as diversas situações que poderão ocorrer nas atividades típicas do escutismo através de ações de curta duração.
Nesse sentido, priorizamos algumas ações quer ao nível regional quer ao nível dos agrupamentos.
Miguel Oliveira 681 Sangalhos
José Ventura 588 Gafanha da Nazaré
DRPC

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

ANO 2014 | 2015

PATRIMÓNIO
A sede regional, edifício que se espera congregador de toda a região, é uma das prioridades da equipa regional para este triénio.
Continuando os trabalhos com a “Patrulha da Sede”, e procurando envolver os agrupamentos e todos os escuteiros com algumas iniciativas, queremos concluir esta obra tão necessária para a identidade da nossa região.
Paralelamente, considera-se importante aferir o património existente a nível regional e a nível local (imóveis, viaturas e contratos de serviços).

Liliana Morais
SRPEAL

EXPANSÃO E AÇÃO LOCAL
Esta secretaria continuará a apoiar os agrupamentos que se encontram em formação, numa relação de proximidade e acompanhamento da formação dos candidatos a dirigente e da ação dos agrupamentos “tutor”.
Queremos também dar oportunidade a mais crianças e jovens experimentarem o Escutismo, levando-o a mais paróquias da nossa Diocese.
Os objetivos que se pretendem atingir e as ações a desenvolver serão parte de um trabalho conjunto com a Assistência Regional (ERA) e com a Formação de Adultos.

Liliana Morais
SRPEAL

 

Leave a Comment